Maranhão

Em Ranking de Competitividade dos Estados, Maranhão é antepenúltimo

Com nota 31.5, o estado ocupa apenas a 25ª colocação em 2017, tendo recuado cinco posições desde 2015, de acordo com estudo do Centro de Liderança Pública
(CLP) divulgado ontem

O Estado – Em dois anos, o Maranhão caiu da 20ª para 25ª posição no Ranking de Competitividade dos Estados. Segundo estudo realizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), em parceria com a Tendências Consultoria e a Economist Intelligence Group, o estado ocupa a antepenúltima colocação no ranking de 2017, entre todos os estados.

O estudo mostra que a nota que mede a competividade das unidades federativas, no caso do Maranhão, que correspondia a 43.1 em 2015, caiu para 31.5 em 2017. Desse modo, o estado ganha apenas do Amapá (26º – nota 28.2) e Sergipe (27º – nota 27). Paraíba e Ceará são os representantes do Nordeste mais bem colocados, nas 10ª e 11ª colocações, respectivamente.

Na composição do ranking este ano, foram considerados 66 indicadores, agrupados em 10 pilares – infraestrutura, sustentabilidade social, segurança pública, educação, solidez fiscal, eficiência da máquina pública, capital humano, sustentabilidade ambiental, potencial de mercado e inovação.

No detalhamento dos pilares, o Maranhão recebeu nota zero no ranking de 2017 em relação à sustentabilidade social, ocupando a última posição, a qual vem mantendo desde 2015, segundo o estudo.

No pilar capital humano, que reúne os indicadores de custo de mão-de-obra, população economicamente ativa com ensino superior, produtividade do trabalho e qualificação dos trabalhadores, o Maranhão obteve nota 15,5, situando-se, portanto, na 25ª posição no ranking. Em sustentabilidade ambiental é somente o 24º lugar com nota 16.5.

Com relação à eficiência da máquina pública, que mede percentual de servidores comissionados, custo do Executivo, Legislativo e Judiciário em relação ao PIB, eficiência do Judiciário e Índice de Transparência, a nota alcançada é 42.2, resultado que coloca o Maranhão na 20ª posição entre as 27 unidades da federação.

No pilar potencial de mercado, que analisa o crescimento potencial da força de trabalho, tamanho de mercado de taxa de crescimento, o Maranhão recuou oito pontos de 2017 para 2016, e ocupa agora a 17º lugar no ranking com a nota 33.6.

Outro recuo considerável apontado área da segurança pública, no qual, de acordo com o estudo, o Maranhão saiu da 10ª posição em 2015 para a 15ª em 2017, com a nota de 75.9 para 43.4, respectivamente.

Ainda que tenha avançado duas posições no pilar educação (de 23º em 2015 para 21º em 2017), com a nota 20.2, a competividade do Maranhão ainda está longe do ideal. Em termos de inovação ocupa apenas o 20º lugar e o 17º em infraestrutura. O único pilar com nota razoável para o estado é o de solidez fiscal, ficando em 10ª posição.

Mais

Sistema de avaliação

O Ranking de Competitividade é um sistema de avaliação da administração pública. Com isso, a população pode avaliar a gestão do seu estado. O ranking estimula os estados e os líderes públicos a buscarem inovações e melhorias nos pilares e indicadores avaliados.

Estado de São Paulo lidera o Ranking de Competitividade

São Paulo segue na primeira colocação no Ranking de Competitividade dos Estados. Já nas duas colocações seguintes houve troca de posições, com Santa Catarina subindo da 3ª para a 2ª colocação – puxado pelo ganho de nove posições no pilar de potencial de mercado e três nos de solidez fiscal, capital humano e segurança pública -, com o Paraná caindo da 2ª para a 3ª posição – penalizado pela perda de sete posições também no pilar de solidez fiscal e três no de eficiência da máquina pública.

De acordo com o estudo, as unidades federativas do Sudeste, Sul e Centro-Oeste concentram-se na metade superior do ranking, com os estados do Norte e

Nordeste ocupando as últimas posições.

Outras mudanças expressivas no ordenamento do ranking geral ocorreram com Acre, Rondônia, Paraíba, que foram as que mais ganharam posições, enquanto Amapá, Amazonas e Pernambuco foram os estados que mais perderam posições.

Nesta edição do Ranking de Competitividade dos Estados merece destaque também as sensíveis alterações de posições entre os estados (em relação à edição de 2016) nos pilares de solidez fiscal e de segurança pública.

A situação fiscal dos Estados e municípios brasileiros apresentou sensível deterioração em 2016, sendo que alguns já declararam calamidade financeira (Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul) ao passo que uma série de outros também mostra uma situação financeira bastante fragilizada.

No caso do pilar de segurança pública, há dois fatores que explicam a forte queda das entre as unidades federativas. Em primeiro lugar, houve forte revisão nas séries históricas das fontes oficiais, principalmente no indicador de roubo e furtos de veículos.

Além disso, também foi implementada uma alteração na fonte das estatísticas do indicador de ‘mortes a esclarecer’.

Até a edição de 2016 era adotada a série do Fórum de Segurança Pública, substituída pela do Datasus, que dentre as vantagens, disponibiliza estatísticas para todos os estados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s